Friday, June 3, 2016

G10: Block 5 - PFL III - Ms Magalhães - Reflexão

This year, I learned a lot about health, legends, food, and grammar. I think I learned a lot more this year because PAL III is a lot more work than I or II. The units were very interesting and using my grammar and extending my vocabulary not only allowed me to excel in this class but also to be able to speak to people outside of school. Learning with Dona Fernanda has been a very fun experience because she allowed me to be creative with my work and use my own experiences in my projects. Overall, the course has been very fun and very interesting.

Wednesday, March 2, 2016

G10:Block 5 - PFL III - Ms Magalhães - Costumes

Turquia
Na Turquia, nós precisamos de esperar para todo família antes de jantar porque é educado e não pode se levantar até todos terminaram de comer.

http://www.lagoinha.com/lagoinha-wp-site/wp-content/uploads/2013/04/Turquia.jpg

Estados Unidos
Nos Estados Unidos, eles não abraço quando eles se cumprimentam. Eles apertam as mãos.

http://viajarsemfronteiras.com.br/wp-content/uploads/2016/01/estados_unidos.jpg

Índia
Na Índia, eles comem apenas com suas mãos direitas porque eles limpam com sua mãos esquerdas.

http://www.estudopratico.com.br/wp-content/uploads/2013/03/economia-da-india-veja-os-aspectos-de-seu-crescimento.jpg

Itália
Na Itália, eles comem na rua. Quando eles gostam de comer, eles comem nas escadas de seus prédios.

http://almanaqueviagens.com.br/wp-content/uploads/2012/01/informacion-turistica-de-italia.jpg



Monday, February 29, 2016

G10: Block 5 - PFL III - Ms Magalhães - Mexilhões

Quando eu era criança, eu fui a praia em Bodrum na Turquia. Nesta praia tinha muitos garçons que trouxeram bebidas e comida. Eu gostei das batatas fritas porque estavam muitos crocante e salgadas. O favorito da minha família era os mexilhões. Eu nunca gostei porque era muito picante. Os mexilhões estavam caseiros e tinha arroz e pouco temperos.

Era um dia muito quente em 2009, meus avôs gostariam de um prato com 20 mexilhões. Eu estive nadando com meus irmãos. Nesta praia não tinha areia, tinha docas de madeira com uma escada. Embaixo da doca, tinha rochas e ouriços do mar. Minha avó chamou-nos para comer. Quando nós saímos da água fria, meu irmão mais velho me empurrou. Eu caí na água e pisei na um ouriço. Não doeu na água mas quando eu saí, eu pisei no meu pé e a dor era louca. O espinho era mais fundo em meu dedo de pé. Um homem que esteve bronzeando, queria ajudar mas ele me machucou muito. Ele usou uma pinça! Minha mãe correu para mim e usou azeite de oliva (é uma tradição de Turquia para lascas porque é ajuda a colocá-lo para fora). Minha avó ofereceu um mexilhão mas eu estava gritando e chorando.

Por uma semana, eu tive que dormir com uma meia e aplicar azeite de oliva. Para o tempo todo, meus avôs ofereceram mexilhões. Finalmente, o espinho saiu mas deixou uma marca pequena. O dor saiu também e eu andei confortavelmente novamente.

Saturday, February 27, 2016

G10: Block 8 - Painting - Ms York - Unit One: The Fundamentals

During Unit One, we were able to explore and learn the base of painting, which is drawing. We were able to dive deeper into line, shape, form, value, etc. through different activities like blind contour drawing, or making 3-dimensional shapes with value. The overall purpose of these activities was to get us used to drawing our work before painting over it and to see where we are according to skill and knowledge of the art.

Drawing Exercises

Line & Shape
Here, we were challenge to draw an object, without knowing what the object was. We would sit with our hands behind our backs and draw by feeling the object that was placed in our hands. We had to attempt to draw this object by using our sense of touch and only using our sight to look at the paper.

This picture shows two similar activities. The drawing on the right is when we were challenged to copy the original image (the one in the middle). After comparing mine to my peers' work, I noticed that I like to use line rather than shading the outline. On the left, we were challenged to turn the image upside down and copy that, but this time, we had the chance to measure the distances and lengths of the lines and spaces and instead of looking at it as a picture of a person, we only looked at it as a selection of lines and shapes. This did make it easier as we were less worried about getting the figure right. I can see a very big difference between the two because when I drew her upside down, ironically, she came out a bit deformed.

Above, we drew our hands (and other objects after) without looking at the paper. This is called blind contour drawing. We drew our hands with only one continuous line. I noticed that after my 4th attempt, I started to improve and the draws later looked halfway decent. My last attempt was to draw a selection of bones. It turned out a lot better than I expected because the object is identifiable.

Form & Value
After our lessons on line and shape, we moved onto form and value. First, we create a value chart where we showed gradation from a scale from 1 to 7. 1 being the lightest shade, and 7 being the darkest. We were given a sheet with 2-dimensional shapes and we had to use value and gradation to make them look 3-dimensional. The pyramid and cube  were quite easy but the sphere, cylinder, and cone were much more difficult as we had to show a gradient of the shades.

After studying value on shapes, we were told to draw this sheet on a stool. As the sheet draped off the sides, it created folds and shadows, so we had to show those shadows through our knowledge of shading and value. I am very proud of this one because it much different than the other art pieces.

Reflection:
1. In your opinion, what was the most challenging aspect of these drawing activities?

The most challenging aspect would be when we were told not to look at something. Our first challenge was difficult because we couldn't see the object and all the object were very different and unknown. When we were told not to look at the paper, it was much hard to make the drawing proportional and they turned out quite crazy and strange.

2. If you could continue to work on one of the drawing activities (to improve it), which one would you choose, and why? How could you improve it?

I would want to work on the last image. I want to be able to improve that because I think the lines look a bit off and I would want to finish shading the whole image. I would improve it by taking my time. I was a bit rushed while drawing and I want to slow down and be able to get the lines to look "perfect."

3. We often surprise ourselves when we try new things, or make new discoveries when repeating something. Discuss something that either surprised you about yourself, a discovery you made, or an insight you had during or after completing the drawing exercises.

One thing that surprised me the most was actually how these drawings weren't too bad. It's been a very long time since I've drawn anything like these and I'm quite proud that I was able to draw these so well. Especially the form and value studies. I was shocked as to how well I was able to shade these images and show the gradation of the highlights and shadows.

4. Discuss three things that you learned and how these things will help you when you begin painting.

Firstly, studying lines would help me get an outline of what I want to paint. Blind contouring has helped me get used to finding a way to appreciate my work when it isn't perfectly drawn. The different shapes that were supposed to represent hands were actually very interesting and Picasso-esque. Studying value would help me with 3-dimensional paintings. I would be able to show value changes in any color and show an image that really pops.

Wednesday, December 2, 2015

G10: Block 5 - PFL - Ms Magalhães - Meu Lenda (Mãe-do-Ouro)

Audio


Meu Lenda
Mãe-do-Ouro

Isto é baseado em uma história verdadeira.

Era uma vez, uma mulher que vivia no Sul do Brasil, foi se casou e educou 3 crianças saudáveis com o marido. Eles não viviam uma vida muito sofisticada, mas eles eram felizes. Todos os dias, ela ia deixar seus filhos para a escola quando seu marido saía para trabalhar. A mulher era feliz e nunca fazia nada de errado.

Um dia, depois que ela deixou os seus filhos na escola, ela chegou em casa para encontrar uma nota sobre a mesa de seu marido. Era o seu sexto aniversário de casamento, então ela pensou que era um presente. Quando ela abriu, não havia nenhum presente. Era uma nota escrita que dizia; "Eu sinto muito, eu encontrei uma outra pessoa." Ele havia fugido com outra pessoa e deixava ela com nada. Ela não tinha um emprego que pagava o suficiente para cuidar de três filhos. Eles tiveram que sair de sua casa e alugar uma que era pequena e muito isolada.

Ela começou a trabalhar em casas de pessoas que eram mais ricas e que precisavam de alguém para limpar sua casa para eles. Ela trabalhava em 7 casas diferentes. Sua filha mais velha estava prestes a se formar e queria ir para uma universidade local. Ela não tinha dinheiro suficiente para pagar a educação de sua filha.

Era quase julho e o clima estava ficando muito frio. Uma noite, a mulher olhou pela janela e viu um brilho de luz estranha no céu. Ela ouviu sobre da Mãe-do-Ouro, mas nunca acreditava nela. Ela acordou sua filha mais velha e disse para cuidar de seus irmãos enquanto ela saiu para. Ela seguiu a luz até que ela chegou a um edifício antigo onde o nome dela escrito na porta. A porta tinha uma pequena rachadura através dela que tinha uma luz dourada brilhando. Ela estava hesitante para entrar, mas estava muito curiosa. Ela abriu a porta para encontrar Mãe-do-Ouro sentada ali com uma pasta de ouro. A figura não disse nada, mas entregou a pasta na mulher. A mulher abriu a pasta e via um endereço de uma casa que estava ao lado de uma das casas em que ela trabalhou. Sob o endereço que disse; "Aqui está o seu ouro." Ela queria agradecer a Mãe-do-Ouro, mas quando ela olhou para cima, não havia ninguém lá. Ela caminhou de volta para casa e dormiu.

No dia seguinte, ela deixou seus filhos na escola e tomou um táxi para o endereço. Ela bateu na porta e uma mulher que era um pouco mais jovem do que ela abriu. A senhora não falava português, mas deixava entrar. A mulher notou que esta senhora também tinha três filhos saudáveis que viviam em uma casa maravilhosa e tinha tudo que seus filhos quis. Ela amava a família, então ela trabalhava em sua casa duas vezes por semana. Lentamente, a família começou a aprender português e falou com ela. A mulher decidiu contar sobre a sua situação com sua família. A família sentiam terrível por isso a senhora solicitou que ela iria pagar do ensino universitário da filha. A mulher ficou muito feliz. Até hoje, a mulher ainda trabalha com esta família e a senhora está pagando a educação de todos os três de seus filhos. A mulher é muito grata pela  gentileza da família. Toda noite, ela olha pela janela e vê uma estrela que parece semelhante ao que ela viu. Ela sabia que não era para ela, mas ela agradeceu.

Reflection
This project was very interesting. I was able to get a legend that I had never heard of and turn it into my own creation. It was quite simple for me since the idea of Mãe-do-Ouro is very straightforward. Understanding the story was quite easy and restating her characteristics in my own scenario was very interesting.

I created a modern scenario where a woman, who lost almost everything after husband left her for another woman, meets this figure who leads her to a house where she would meet a family who offered to pay for her childrens' education.

As an example, I noticed that I followed the risk-taker core value. I was able to find a completely different scenario from the original legend and looked at morals of the story in a different way. I also followed the innovative core value. I noticed that I was able to find a very different idea and turn it into a heart-warming legend. This, being based off of a true story, was difficult because I need to keep all the details and change as little as possible. I don't think it would have been as difficult if I had just made it up.

Next time, I would try to write a shorter legend with fewer details just so it doesn't last as long. I think half of what I wrote is a bit too detailed and I wish I could shorten it.

Monday, October 19, 2015

G10: Block 5 - PFL III - Ms Magalhães - Festa Junina

Eu não sei muito sobre Festa Junina. Eu entendo que é uma feria religiosa para Santo Antonio, São João, e São Pedro. Eu gosto essa festa porque a comida é muito deliciosa e o decoração é muito colorida. Na escola, tem um grande evento com uma festa e tem muitos performances de música

O comida típica que eu gostaria experimentar é o bolo de caramelo e banana porque eu adoro caramelo e esse bolo tem doce de leite.


Tuesday, October 13, 2015

G10: Block 5 - PFL III - Ms Magalhães - Meu Viagem com Graded

Eu fiquei no São Paulo para um projeto de fotografia. Eu fui no Centro (e Galeria do Rock), Vila Madalena, Avenida Paulista, e Liberdade. No esse áreas tem muitas pessoas diferentes. Nos almoçamos em restaurantes brasileiras e japonesas.

Eu gosto de tirar fotos porque é um tipo de arte diferente.